Master of Simplicity Magazine #3 Maio 2017 - Page 33

Quando se fala em minimalismo pensamos imediatamente em viver com menos tralha, mas muitas vezes associamos a tralha física, ao número de itens que possuímos. Aliás, no ínicio quando abraçamos o minimalismo como modo de vida, começamos sempre por retirar o excesso de objectos que temos em casa. Sim é um começo! Mas para mim o minimalismo é mais do que deixar a minha casa organizada! É, sim, deixar a minha cabeça organizada e livre de tralha interior, a imaterial, aquela que não conseguimos medir, mas por vezes é bem maior do que a nossa tralha material.

O minimalismo ajudou-me a auto-descobrir, a desapegar de pensamentos nocivos, deixar de sobrecarregar a minha cabeça de coisas e de sentimentos que me angustiam, deixar de lado a ansiedade e o stress, deixar o passado no lugar dele para conseguir viver o meu presente, eliminar pessoas que nada acrescentam e abraçar cada vez mais as que dão muito, mudar hábitos pouco saudáveis para hábitos que me deixam mais feliz. Principalmente, eliminar tudo o que esgota a minha energia e aproveitar o meu tempo com coisas que me dão mais felicidade, mais criatividade, mais força e coragem de prosseguir o que eu realmente quero e alcançar os meus objectivos.

Claro que nada muda do dia para a noite, mas o importante é que decidi percorrer este caminho. E, mesmo com pequenos passos, tenho a certeza que é este o caminho que quero seguir. Sei que continuo com excesso de bens materais, mas sei que o meu eu interior está mais livre.

É isto que me fez gostar deste estilo de vida! É ser livre...Seguir o meu coração e a vida que quero viver!!

pela Blogger

Raquel Silva