Cinema, Destination Image and Place Branding Cinema, Destination Image & Place Branding - Page 31

TORRE DE BABEL - UMA NOVA METODOLOGIA PARA AFERIR O VALOR DAS MARCAS DE DESTINO A NÍVEL MUNDIAL profissionais, etc.; fontes secundárias e análise de contudo de websites). O tipo de abordagem científica (estudo conceptual versus estudo empírico) é um outro fator de dispersão dos estudos sobre branding de destinos. Do total de 74 estudos referenciados por Pike (2009), 10 são de tipo concetual, e entre os 64 estudos empíricos predominam os estudos de caso (n = 33), e os estudos por inquérito (n = 28). Além disso, 20 estudos de caso têm como foco o desenvolvimento de estratégias de marca, e 3 estudos tem como foco a análise de websites. Embora o estudo de Pike date de 2009, e em anos mais recentes se tenha registado um boom de publicações científicas no domínio do branding de destinos, a ideia central relativa à enorme dispersão de estudos, e consequente dificuldade em termos de comparabilidade dos dados, não perdeu a sua atualidade. De facto, são muito poucos os esforços com vista à criação de critérios que facilitem a comparabilidade dos estudos. Ora, como vimos anteriormente a propósito do modelo de indicadores da OCDE, a inclusão do indicador ‘valor da marca’ (brand equity) num modelo de avaliação/monitorização da performance competitiva dos destinos turísticos só será possível se e quando existirem metodologias comuns aplicáveis à análise do valor de marcas de qualquer tipo de destino turístico. - Fragilidades e lacunas no âmbito da investigação de branding de destinos Apesar do recente boom de estudos sobre branding de destinos, este domínio de investigação permanece na infância, e as seguintes fragilidades identificadas por Pike (2009) há já 7 anos continuam atuais. A) Dificuldades no estudo do tópico “Identidade da marca de destino”: 1. Ausência de estudos de caso aprofundados sobre tomada de de cisão em matéria de políticas de marca de destino. Pike (2009) refere que aos investigadores está barrado o acesso às reuniões onde são tomadas as decisões. Esta opacidade impossibilita a realização de estudos de natureza etnográfica que permita aceder ao processo decisório no seio das administrações das OGD e às reuniões entre os representantes das OGD e as agências de comunicação. Além disso, são muito escassos os estudos focados nas interações entre os stakeholders que intervêm na governanca das OGD locais, geralmente público-privadas. return to the content page 31