Cinema, Destination Image and Place Branding Cinema, Destination Image & Place Branding - Page 27

TORRE DE BABEL - UMA NOVA METODOLOGIA PARA AFERIR O VALOR DAS MARCAS DE DESTINO A NÍVEL MUNDIAL destinos tem sido implementado é um flagrante exemplo de como os profissionais do turismo transpõem acriticamente os conceitos que estão na moda, e que são tomados de empréstimo de outras áreas, sem a mínima consideração pelos estudos académicos. Paralelamente, os estudos que visam operacionalizar indicadores para aferir o modo como os turistas avaliam marcas de destino têm concluído que estamos perante um desafio bastante complexo (Boo et al., 2009), sendo necessário uma coordenação de esforços por parte dos investigadores do turismo, uma vez que este é um domínio caracterizado por uma multiplicidade de desafios que requerem uma abordagem multidisciplinar (Gnoth, 1998). Os autores que pugnam pela aplicação das técnicas de branding aos destinos turísticos (Morgan & Pritchard, 2002; Morgan et al., 2003; entre muitos outros) imputam-lhes os seguintes benefícios: 1) Atração de mais atributos favoráveis, de mais benefícios percebidos e de maior nível de preferências; 2) Obtenção de melhores preços premium; 3) Maior nível de atenção dos consumidores à comunicação, maior retenção de informação e resposta mais positiva. Adicionalmente, as marcas de destino ajudam os consumidores a conso li - darem e a reforçarem as suas perceções sobre os destinos depois das suas experiências de visita (Ritchie & Ritchie, 1998). Apesar de existir consenso quanto aos benefícios da aplicação das técnicas de branding aos destinos turísticos, na literatura do turismo abundam diferentes abordagens do conceito, pois cada autor tende a valorizar distintas funções. Assim, segundo Pereira, Correia e Schutz (2012), o branding de destinos tem sido concetualizado como sinónimo de: • (re)posicionamento de destino (Gilmore, 2002) • criação de imagem de destino (Curtis, 2001; Cai 2002) • redefinição de imagem de destino (Hall, 2002) • criação de marca umbrella corporativa, em que o destino é uma espécie de empresa que produz várias marcas de produtos/ serviços (Gnoth, 2002; Papadopoulos e Heslop, 2002). return to the content page 27