Cinema, Destination Image and Place Branding Cinema, Destination Image & Place Branding - Page 13

CINEMA, DESTINATION IMAGE & PLACE BRANDING apresentando-se como um quizz cultural em que residentes e visitantes deverão ser capazes de identificar e associar o ícone à realidade representada. Este traba- lho ao refletir sobre a relação da marca Porto. (ponto) com imagem da cidade, leva a perceber que a nova marca consegue arrastar consigo a identidade milenar da cidade do Porto, concretizada no bem conseguido caráter gráfico. A nova marca, que precisa de tempo para que os impactos da estratégia de branding sejam avaliados e, por ventura, corrigidos, deve perdurar no tempo e na memória para ser bem sucedida. Espera-se que seja desta vez que termina a política errática de branding que os responsáveis públicos pela cidade têm prosseguido e que a cidade do Porto encontre o seu posicionamento no mundo global. O terceiro capítulo inscreve-se na corrente de estudos sobre Turismo Cinematográfico focados na avaliação do papel do cinema como meio de induzir novos fluxos turísticos. Os autores (Luciano Pereira, Rogéria Vieira e Ingrydy Pereira) analisam o caso da marca ‘Roliúde Nordestina’. Em 2007, os autarcas do município de Cabaceiras decidiram colocar à entrada da cidade, um letreiro enorme de boas- vindas a dizer ‘Roliúde Nordestino’, inspirado no letreiro que anuncia Hollywood no alto de um morro em Los Angeles. Trata-se de uma estratégia de marca que visa a turistificação do território através da conotação ao cinema, tirando partido da notoriedade dos filmes rodados na região. De facto, a microrregião paraibana do Cariri tem sido escolhida como localização de diversas produções cinemato- gráficas, que utilizaram o município de Cabaceiras como cenário. Entre muitas produções destaca-se ‘O Auto da Compadecida,’ que foi o filme brasileiro mais visto em 2000. O estudo revela que este projeto de turistificação não resultou em melhorias socioeconómicas para a população local, embora esta mantenha a expectativa de poder futuramente obter benefícios dos novos fluxos turísticos, bem como da chegada constante de novas produções à cidade. O quarto capítulo da autoria de Lucília Cardoso e Maria Isabel Andrés Marques reflete sobre o discurso do filme promocional enquanto indutor de imagem de um destino turístico e sobre a linguagem promocional do turismo, usada para induzir a imagem do produto turístico gastronomia e vinhos. O estudo é de carácter qualitativo e abrange a análise da simbologia da imagem e da mensagem em 7 filmes de promoção turística, da categoria temática Gastronomia e Vinhos, da Seleção Oficial do Festival Internacional de Cinema Turístico - ART&TUR de 2014. Para a construção do modelo conceptual, a investigação segue a corrente de estudos sobre LoT (Language of Tourism) versus filme turístico, e apoia-se nas perspetivas teóricas de retórica verbal e visual na linguagem do return to the content page 13